pina: o amor é mais frio que a morte

Como fazer um filme, ainda mais um filme que parece dedicado à dança, ou seja, que depende da presença física, sobre alguém que não está mais aqui? É curioso, mas a fragilidade e a beleza de Pina nascem do mesmo lugar. A ausência da coreógrafa alemã é o que dá corpo: mais do que um filme para Pina, como aparece na assinatura final de Wim Wenders, é um filme sem Pina. Ela é um fantasma, encarnada em raras imagens de arquivo e gravações de voz, mas pesando em todos os detalhes, nos rostos silenciados, nas palavras mancas, em todos os espaços vazios.

Não é estranho que sua voz dura (nem preciso citar suas imagens) tenha mais força do que qualquer cena de dança, por mais deslumbrantes que elas sejam. As curtas aparições de Pina Bausch são esmagadoras, pois amplificam ainda mais o drama: o que fazer depois da morte da mãe, depois que a pessoa que nos orienta não está mais aqui? É o que fica evidente nos depoimentos dos dançarinos de sua companhia, revelando uma gama de sentimentos – do respeito excessivo ao carinho familiar –, que parecem desnorteados com o buraco que ela deixou.

Wenders nem precisaria citar a dança da morte de Bergman, pois a impressão é a de que todas as cenas estão meditando sobre a morte, mesmo que originalmente tenham sido criadas a partir de outros temas. Nesse sentido, o 3D é usado justamente para ressaltar a ausência, trata-se de um filme contraído, muito mais pra dentro do que pra fora, algo atípico do que se costuma trabalhar com a terceira dimensão no cinema. Mas a fragilidade reside justamente nisso: se por um lado a tentativa de supervalorizar a profundidade de campo cria espaços enormes que dão conta do vazio emocional da obra, ela acaba minando a relação dos dançarinos com o espaço, algo primordial num filme todo composto por cenas de dança. É como se os corpos estivessem materializados na imagem, com uma frieza digna de um holograma.

Se não convence como um filme sobre e, principalmente, de dança (e muito menos como “o primeiro filme de arte em 3D, como a publicidade quer emplacar), é porque se trata de um filme sobre a morte – nesse sentido, um típico filme de Wim Wenders.

Anúncios

2 respostas em “pina: o amor é mais frio que a morte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s